Crédito consolidado – Uma boa alternativa

POUPE COM O CRÉDITO CONSOLIDADO!

Quando entramos no mundo das finanças e temos a necessidade de pedir um crédito, e existem vários tipos e para várias finalidades, existe um tipo, para quem acumula mais do que um crédito, que acaba por ser mais vantajoso,que é o crédito consolidado.

O crédito consolidado não é mais do que juntar todos os créditos que possui numa só prestação, cujo valor será sempre inferior à soma de todas as prestações individuais. Esta solução acaba por ser mais vantajosa para famílias que estejam a passar dificuldades financeiras e não só, pois permite o cumprimento do crédito mais facilmente e uma melhor gestão, já que fica a existir uma única prestação e há uma negociação dos juros do empréstimo.

QUEM PODE PEDIR ?

Para poder solicitar este tipo de crédito tem que cumprir alguns requisitos como estar efetivo no seu trabalho, no caso de ser um casal têm ambos de estar a trabalhar e terá que não estar na «lista negra» do Banco de Portugal.

COMO FUNCIONA?

A entidade a que vai solicitar o crédito consolidado vai absorver todos os créditos que possui. Claro que isto traz-lhe comodidade e um alívio financeiro mensal, pois no fundo vai diminuir à prestação mas aumentar a despesa.

Crédito consolidado - Uma boa alternativa

PRÓS E CONTRAS

Como qualquer solução bancária, o crédito consolidado não traz só vantagens, também tem alguns contras. As vantagens, como referimos já em cima, é a melhor gestão financeira, já que ficamos a pagar a um só credor e temos maior facilidade para negociar. As desvantagens são basicamente as despesas de abertura do processo, já que estamos a pedir um novo crédito e o facto de ter que apresentar uma garantia bancária caso entre em incumprimento. O prazo para pagamento normalmente é maior e a prestação mensal menor. Claro que quanto maior for o prazo, mais pagará de juros, pois a amortização é menor. O prazo vai de 3 anos até ao máximo de 30 anos.

TIPOS DE CRÉDITO CONSOLIDADO

Há o crédito consolidado com hipoteca e sem hipoteca. O primeiro, que é o mais utilizado, implica dar o imóvel como garantia bancária e este destina-se apenas a proprietários de imóveis. Este tipo de crédito é mais rápido do que sem hipoteca, mas tem a grande desvantagem que, caso entre em incumprimento, ficará sem o seu bem imobiliário.  No caso do crédito sem hipoteca, para os não proprietários, tem prestações e taxas mais altas, prazos mais curtos e é difícil de conseguir. No fundo, como o banco não tem garantias, acaba por acarretar um maior risco para a instituição, daí essa dificuldade.

Em suma, caso as suas finanças estejam a dar sinal de mau estar geral e caso queira ter uma poupança acentuada (há situações que lhe permitem poupar cerca de 30% a 40%) tem esta possibilidade ou em alternativa a renegociação dos seus créditos, para pessoas que já tenham tido problemas bancários. Mas não se esqueça, antes de partir para esta solução, faça várias simulações, informe-se e veja as condições que as entidades de crédito lhe oferecem, compare as várias propostas e no final, escolha o melhor para si.