Caixa Geral de Depósitos com prejuízos astronómicos!

Caixa Geral de Depósitos com prejuízos astronómicos!

A polémica estalou a semana passada ao ser tornado público os resultados da auditoria pedida pelo Governo à Caixa Geral de Depósitos efetuada pela EY. O resultado desta auditoria revelou que a CGD teve uma gestão danosa, emprestou dinheirodinheiro sem garantias em prazos bastante longos, financiou negócios com avaliações de risco desfavoráveis, beneficiou terceiros, o que levou a perdas de vários milhões de euros, sendo salientadas as operações de financiamento da fábrica da La Seda, em Sines, entre outros negócios.

Os crimes ainda não prescreveram e o Ministério Público está agora a investigar, sendo que o relatório com as conclusões da auditoria foi já apresentado aos deputados. Segundo afirmações de Mário Centeno, ministro das Finanças, «o documento esteve em segredo de justiça, nem a CGD nem o Governo podiam alterar, quando a Procuradoria Geral da República levanta essa restrição, ela será, pela administração da Caixa Geral de Depósitos, dada sequência».

Há mais de 20 anos que não havia auditoria na Caixa Geral de Depósitos

Depois da auditoria ter sido solicitada pelo Governo, este relatório já tinha sido pedido pelo Parlamento à CGD por diversas vezes, pedido este que tinha sido negado pela mesma alegando segredo justiça e segredo bancário. Saliente-se o facto que há mais de 20 anos que não era pedida uma auditoria à CGD.

Segundo o ministro das Finanças, a administração da CGD «tem indicação pelo governo para levar até às últimas consequências todas as ações necessárias para que aqueles que possam vir a ser responsabilizados (…) possam vir a sê-lo no seu devido lugar.»

Para António Costa, primeiro-ministro, não deixa de ser surpreendente porque é que nenhum dos anteriores governos solicitaram esta auditoria. Atualmente, o Governo indica que «a Caixa está neste momento devidamente capitalizada de forma a poder realizar plenamente as suas funções e de garante das poupanças dos portugueses, a ser um estabilizador do sistema financeiro em Portugal e um bom instrumento ao serviço da economia».

A Caixa Geral de Depósitos constituiu-se assistente do processo para poder acompanhar todas as diligências judiciais.